.
Publicidade:

O Horror do Telemarketing em Ação.

Quem já não foi vitima dos trabalhadores que tem como instrumento de trabalho uma linha telefônica.

Certamente qualquer um que tenha conta em banco, um cartão de crédito, tenha assinado a 10 anos atrás uma revista qualquer ou tenha colocado seus dados pessoais em uma ficha cadastral.

Os famosos telemarketing's que normalmente tem uma meta a ser conquistada diária, semanal ou mensal para se manterem no emprego ou engordar o salário no final do mês são pessoas que apenas querem sobreviver dentro de empresas onde a produtividade está acima de tudo.

É este o grande problema, pois muitas vezes uma grande massa de trabalhadores é contratada em um setor onde a rotatividade é relativamente alta, fazendo com que as vitimas, digo clientes destas organizações tenham sua privacidade invadida por pessoas despreparadas.

Os donos de telefones fixos receberam ligações a respeito da mudança de pulsos para minutos na conta telefônica, nestas ligações foram utilizadas as mais diversas técnicas de persuasão, coisas do tipo:
- O senhor é obrigado a escolher um plano. (Geralmente o mais caro.)
- Caso não seja feita a escolha seu telefone vai ser cortado.
- Ah! O senhor não vai optar por nenhum plano, vou cortar seu telefone já.

Absurdos que pessoas no intuito de atingirem metas de produção uilizaram sem dó nem piedade. Segundo a legislação ninguém era obrigado a escolher nenhum plano e caso essa fosse a decisão da pessoa ela automaticamente seria incluída no plano básico e a qualquer momento poderia mudar para um plano que melhor atendesse as suas necessidades.

Este é apenas um dos casos. E as empresas de cartão de crédito que querem imbutir na sua fatura mensal um ou dois reais para que você tenha um seguro que vai beneficiar você, esposa, sogra e o cachorro.

E aquela fantástica revista que caso você assine irá receber totalmente de graça uma, duas, três coleções de livros de um autor famoso que você não tem o menor interesse em ler.

Pois é, este é o mal do capitalismo selvagem em que vivemos, os consumidores são subestimados em relação ao seu poder de decisão, sendo tratados como um ser manipulável.

Caso você seja um trabalhador desta área observe algumas regras a serem utilizadas no intuito de minimizar os impactos negativos no seu cliente:

Não é “eu vou ESTAR mandando” “vou ESTAR passando” “vou ESTAR verificando” E sim "eu vou MANDAR" "vou PASSAR" "vou VERIFICAR"Da mesma forma é incorreto perguntar: COM QUEM VOCÊ QUER ESTAR FALANDO? Veja como é o correto e mais simples: COM QUEM VOCÊ QUER FALAR?

Não use: Quem gostaria? (É de matar...)

Não use: peraí, agüenta aí, só um pouquinho (prefira: Aguarde um momento, por favor)

Por último, e talvez a pior de todas: Por favor, arranquem os malditos SEJE e ESTEJE do seu vocabulário (estas palavras não existem!!)

Não é elegante você tratar ao telefone, pessoas que não conhece, utilizando termos como: querido(a), meu filho(a), meu bem, amigo(a)... (a não ser que você esteja ironizando-a(o). Utilize o nome da pessoa ou senhor(a).

Publicidade: